Archive

Global



Scientists suggest breeding for uniformity inactivates a gene that affects color and sugar content.


The tomatoes at left are normal, and the two on the right are bred for uniform color. New research suggests the ones on the left are likely to be tastier. (C. Nguyen and J. Giovannoni / June 29, 2012)

The mass-produced tomatoes we buy at the grocery store tend to taste more like cardboard than fruit. Now researchers have discovered one reason why: a genetic mutation, common in store-bought tomatoes, that reduces the amount of sugar and other tasty compounds in the fruit.

For the last 70-odd years, tomato breeders have been selecting for fruits that are uniform in color. Consumers prefer those tomatoes over ones with splotches, and the uniformity makes it easier for producers to know when it’s time to harvest.

But the new study, published this week in Science, found that the mutation that leads to the uniform appearance of most store-bought tomatoes has an unintended consequence: It disrupts the production of a protein responsible for the fruit’s production of sugar.

Mass-produced tomato varieties carrying this genetic change are light green all over before they ripen. Tomatoes without the mutation — including heirloom and most small-farm tomatoes — have dark-green tops before they ripen. There is also a significant difference in flavor between the two types of tomatoes, but researchers had not previously known the two traits had the same root cause.

The study authors set out to pin down the genetic change that makes tomatoes lose their dark-green top. They focused their attention on two genes — GLK1 and GLK2 — both known to be crucial for harvesting energy from sunlight in plant leaves.

They found that GLK2 is active in fruit as well as leaves — but that in uniformly colored tomatoes, it is inactivated.

Adding back an active GLK2 gene to bland, commercial-style tomatoes through genetic engineering created tomatoes that had the heirloom-style dark-green hue. The darker green comes from greater numbers of structures called chloroplasts that harvest energy from sunlight.

The harvested energy is stored as starches, which are converted to sugars when the tomatoes ripen.

The vast majority — 70% to 80% — of the sugar in tomatoes travels to the fruit from the leaves of the plant. But the remaining amount of sugar is produced in the fruit. This contribution is largely wiped out in uniform, commercial-style tomatoes — and thus they won’t be as sweet.

Study coauthor Ann Powell, a biochemist at UC Davis, noted that this isn’t the only cause of the uninspiring flavor of modern mass-produced tomato varieties, but said it definitely contributes.

Though the scientists were not even able to taste their own creation because ofU.S. Department of Agricultureregulations, they could show through chemical tests that the sugar levels were 40% higher in their engineered fruit. Chemicals called carotenoids, which also significantly contribute to flavor, were more than 20% higher.

But don’t expect to find a tastier, transgenic tomato based on this finding on store shelves anytime soon. Plant biologist Jim Giovannoni of Cornell University, a study coauthor, said that such a product is unlikely to be developed.

“There are very few examples of genetically modified fresh-market fruit crops,” he said. Most such crops are corn and soy varieties that have been bred to resist viruses and pests, not fruits and vegetables sold on store shelves.

Still, the results could lead breeders to slightly change the way they select tomatoes for production, Giovannoni added.

“There will probably continue to be selection for uniform tomatoes,” he said. But “now that it’s known that this mutation has negative consequences, you may find that growers begin selecting for fruit that is uniformly darker green, rather than uniformly lighter green.”

Harry Klee, a specialist in the chemistry of fruit flavor at the University of Florida who was not involved in the study, said the work was a good step toward a better understanding of tomato flavor.

“This is not the entire reason the modern tomato stinks — but it’s a real significant part of it,” he said. “I promise you, if I gave you two tomatoes that were 10% different in their sugar contents, you’d be able to tell the difference…. This is a very nice piece of science that really illustrates the pitfalls of breeding without knowing precisely what you’re doing.”

The lesson for consumers is that tomatoes with less-uniform hues are a better flavor bet.

“If this information gets out there, you could see people saying, ‘If I see this tomato is not uniformly ripe, that means that it’s not the cardboard junk that they’ve been producing for the past 30 years,’” Klee said.

“It’s almost like a badge of honor.”

Author: Jon Bardin
Source: Los Angeles Times
Original: http://goo.gl/YGk4S


FOLLOW US / SIGA-NOS:
              


After eight years of spirited debate and delicate diplomacy, a consortium of environmental organizations, commercial fishing executives, scientists and government officials has developed the first comprehensive global standards for salmon farming.

The 91-page document specifies 100 fish-farming standards, from the use of feed and antibiotics to pesticides and fish-cage construction, and is expected to be implemented later this year by the Aquaculture Stewardship Council, a nonprofit monitoring group based in Utrecht, the Netherlands.

The new set of standards could raise the bar for farm-raised salmon sold at retail outlets in the future, because it would enable certified aquaculture farms to display a retail label — on packaging or at store counters – designating salmon “A.S.C. Certified.”

“We’re all quite glad to have reached agreement,” said Katherine Bostick, the senior aquaculture program officer for the World Wildlife fund, which was a co-founder of the council and also helped found the Marine Stewardship Council, which certifies sustainably caught wild fish.

The development of the standard was accomplished by a nine-member steering committee participating in what it called a dialogue of 500 participants from government, academia, industry and nongovernmental organizations. Through the years, there were 16 meetings in cities around the globe, and during the complex process, many drafts of standards were submitted, revised and resubmitted

Among the steering committee members were the Wildlife Fund, the Pew Environment Group, the Canadian Aquaculture Industry Alliance, the Norwegian Seafood Federation, SalmonChile Corporation, Fundacion Terram (a nonprofit Chilean group supporting sustainability) and Skretting, a fish-feed company.

During the discussions, some industry participants complained that environmentalists were unduly influencing the standards, while some environmentalists said that disproportionate weight had been given to the concerns of the salmon-farming industry.

“Nobody got everything they wanted, and everyone made compromises,” Ms. Bostick said. “We’re aware that the standards are not perfect, but these standards will be more effective than any existing standard in creating change on the water.”

Retailers could use the certification label as a sales tool for marketing to consumers concerned about health and sustainability, Ms. Bostick said. The bluish green logo carries the message “Farmed Responsibly – A.S.C. certified,” with a large white check mark.

The Aquaculture Stewardship Council oversees and accredits what it calls the “salmon-auditing process” to approve salmon producers; verification is accomplished by various independent certification bodies worldwide. By passing the audit, producers are approved to use the council’s logo (above).

The new standards “will challenge the industry to improve in many areas, and they are one of many tools that must be used to insure the health of the environment, industry and society,” said Hernán Frigolett, the steering committee representative from Fundación Terram.

Petter Arnesen, the committee member from Marine Harvest — a company that claims it is the world’s largest producer of farmed salmon — said that “as an industry, we are often challenged on lack of transparency and data from farms,” adding that “these standards require an unprecedented amount of transparency.”

More than two-thirds of farmed salmon is Atlantic salmon, but the same new standards apply to farmed Coho and King Salmon. The production of farmed salmon increased 10-fold from 1982 to 2007, and rose 50 percent in volume during the last decade, according to the Food and Agriculture Organization of the United Nations.

More than 70 percent of retail salmon comes from fish farms, and more than half of all farmed salmon originates in Norway and Chile; Scotland and Canada are also significant producers. About half of the world’s farmed salmon is produced by a half-dozen large agribusiness corporations.

The Aquaculture Stewardship Council is already overseeing approved standards for the farming of tilapia, pangasius, abalone, mussels, clams, scallops and oysters after a series of other aquaculture dialogues. Retailers are already using the certification logo in selling some of these fish. Standards for fresh-water trout are about to be issued. Also soon to be approved are standards for shrimp, seriola and cobia (large marine fin fish).

The strictures in the new salmon standard specify approved uses of antibiotics and anti-parasite chemicals to keep fish disease-free. The standards also specify that a portion of fish meal and fish oil that is fed to farmed salmon must be sustainable (carnivorous farmed salmon consume two to four times their weight in feeder fish, depleting worldwide stocks of mackerel and other species).

The new standards also specify water-quality standards, since salmon farms have long been criticized for polluting coastal areas with fish nutrients and excrement. In addition, the new standards require better training of workers and the use of more secure sea cages – called net pens — to prevent the escape of farmed salmon, which can then breed with, and reduce the ocean-survival capability of wild salmon.

Author: Glenn Collins
Source: The New York Times
Original: http://goo.gl/00D6e


FOLLOW US / SIGA-NOS:
              




Estes são os dois únicos projectos portugueses que participam no evento. Foto: Daniel Rocha

Seis alunos da Escola Secundária de Odemira vão representar Portugal na Genius Olympiad 2012, uma competição internacional de projectos escolares na área do Ambiente, que vai decorrer entre 24 e 29 de Junho nos Estados Unidos.

Os alunos são os autores dos dois únicos projectos portugueses que integram o lote de 248 projectos seleccionados para participar na Genius Olympiad 2012, que vai realizar-se na cidade universitária de Oswego, no estado de Nova Iorque.

Lúcia Martins, Daniel Silva, Marlieke Pronk, Ana Correia, Milene Ramires e Mónica Raposo fazem parte do Clube de Ciências (Bigeo) da Escola Secundária Dr. Manuel Candeias Gonçalves, de Odemira, e que candidatou os projectos através da Associação Juvenil de Ciência.

Os alunos “estão muitos honrados e entusiasmados” com a participação porque “é uma competição mundial de ciência” entre “os melhores jovens cientistas do mundo”, disse a coordenadora do Bigeo, a professora Paula Canha.

Por outro lado, contou, os alunos “estão a sentir a responsabilidade de representar Portugal, mas também de estarem à altura dos colegas” dos três grupos da Escola Secundária de Odemira que participaram em edições anteriores da competição e todos trouxeram medalhas para Portugal, “o que é bastante difícil”.

Os dois projectos portugueses seleccionados para a Genius Olympiad 2012 já foram premiados no 6.º Concurso de Jovens Cientistas realizado no âmbito da Mostra Nacional de Ciência, que decorreu em Lisboa, nos passados dias 31 de Maio e 1 e 2 de Junho.

O projecto “Impacto da flora invasora nos ecossistemas ribeirinhos em Odemira”, da autoria de Lúcia Martins, Daniel Silva e Marlieke Pronk, recebeu o 2.º prémio do 6.º Concurso de Jovens Cientistas, no valor de 1200 euros. Graças ao projecto, os três alunos foram convidados a representar Portugal no 24.º Concurso Europeu para Jovens Cientistas, que irá decorrer entre 21 e 26 de Setembro deste ano em Bratislava, na Eslováquia.

O projecto “Recuperação de áreas invadidas por Acacia longifolia em Odemira”, da autoria de Ana Correia, Milene Ramires e Mónica Raposo, recebeu uma menção honrosa.

A delegação portuguesa, constituída pelos seis alunos, parte no sábado do aeroporto de Lisboa para os Estados Unidos.

Fonte: Público / LUSA
Original: http://goo.gl/sAMCq


FOLLOW US / SIGA-NOS:
              



Understanding what makes some people choose to live a sustainable lifestyle while others don’t worry at all about the environmental consequences of their actions is of interest to both marketers and policymakers.

If they are able to understand what makes some people go “green” while others continue to live without regard for the environment, they might be better able to draft policy and market products in a way that appeals to a broader range of people.

Now, scientists have taken a first step toward getting inside the minds of consumers by identifying which personality traits are more closely associated with sustainable behavior.

The researcher, Rune Ellemose Gulev of the University of Applied Sciences in Kiel, Germany, found that countries in which the populace was concerned with having high social cohesion or having tolerance and respect also scored highly with regards to environmental and social sustainability. People who value social responsibility among business leaders and those societies that had higher trust in one another were also more likely to be more focused on sustainability.

On the other hand, some traits tied to sustainability were less than obvious. For example, sustainable habits and practices were tied closely to countries where high levels of pay were important to people. Conversely, populations that were considered “unselfish” or focused on equality for all were not as likely to practice sustainable behaviors.

Gulev said the results show that sustainable behavior can be predicted and facilitated by understanding people’s attitudes and how they correlate to their real- life behaviors.

“Taken holistically, the results provide clear indication that some attitudes and values in people do facilitate sustainable behavior and that these attitudes and values can be fostered to create greater sustainable behavioral practices,” Gulev said. “It is hoped that the results initiate a debate and further motivation for research into sustainable practices.”

The research will be featured in the International Journal of Sustainable Economy.

Author: Jeanette Mulvey
Source: The Huff Post Green
Original: http://goo.gl/9mHbq


FOLLOW US / SIGA-NOS:
              



Sempre ouvimos falar que a água é essencial para a vida do ser humano, mas sua disponibilidade está além da esfera biológica, e afeta também o campo econômico. É o que salienta um novo relatório da consultoria Frontier Economics e do banco HSBC, que afirma que a escassez hídrica poderá prejudicar o crescimento econômico mundial nas próximas décadas. A saída é investir em uma melhor distribuição, saneamento, tratamento e economia de água para todos.

De acordo com o documento, até 2050 as dez bacias hidrográficas mais populosas do mundo – dos rios Ganges, Yangtzé (rio Azul), Indo, Nilo, Huang He (rio Amarelo), Huai, Níger, Hai, Krishna e Danúbio – terão capacidade para gerar 25% do PIB global; atualmente, as regiões que compreendem essas bacias geram 10% do PIB global.

No entanto, isso só acontecerá se houver uma mudança no processo de manejo hídrico dessas bacias, caso contrário este crescimento ficará sob a ameaça de um consumo insustentável de água. Se isso acontecer, o texto prevê a escassez de água em pelo menos sete das dez bacias, incluindo a dos rios Ganges, Amarelo e Níger.

“Assumia-se até agora que a água sempre estaria disponível. As pessoas estão percebendo que isso agora não é assim”, comentou Nick Robins, diretor do Centro de Excelência em Mudanças Climáticas do HSBC.

Por isso, o relatório sugere que é necessário um maior investimento nos recursos de água doce e um melhoramento no tratamento, na economia de água e em como a água é usada na agricultura, na indústria e nas residências.

Além disso, o documento indica que os desenvolvedores de políticas devem entender a relação entre a água, a produção de alimentos, a energia e as mudanças climáticas e procurar formas de atrair investimentos para aperfeiçoar a infraestrutura hídrica.

“As descobertas mostram que o futuro das bacias hidrográficas é fundamental para o crescimento econômico. Ações rápidas e colaborativas em todo o mundo são necessárias. O relatório também enfatiza a forte lógica econômica de melhorar o acesso à água doce e saneamento, em um momento em que a ajuda total ao acesso à água e ao saneamento diminuiu”, observou Douglas Flint, presidente do HSBC.

Mas o texto aponta que, se há necessidade de investimentos, há também muitas possibilidades de ganho com isso. O relatório diz que investir no acesso universal à água resultaria em um ganho econômico mundial anual de US$ 220 bilhões. Os países poderiam ter um retorno de US$ 5 para cada US$ 1 gasto, embora na América Latina esse retorno possa chegar a US$ 16, e alguns países africanos poderiam receber todo esse retorno em três anos.

“[Os investimentos em água] são ativos de longa vida bastante seguros, então não há muito risco aí. Mas você realmente precisa dar aos investidores garantia de que os ativos estão a salvo”, declarou Robins.

O próprio HSBC está investindo na questão, e dará US$ 100 milhões nos próximos cinco anos para a WaterAid, a EarthWatch e o WWF para combater problemas hídricos. “Essa parceria resultará em 1,1 milhão de pessoas recebendo acesso à água potável e 1,9 milhão melhorando sua higiene e saneamento em Bangladesh, Índia, Nepal, Paquistão, Nigéria e Gana”, disse Barbara Frost, CEO da WaterAid.

O programa anterior de cinco anos do banco se focava nas mudanças climáticas, mas Robins explicou que a mudança de foco não é uma grande alteração, pois os dois temas estão intimamente ligados.

“A água é a forma pela qual as mudanças climáticas são expressas. Você tem a ruptura dos padrões climáticos tradicionais; áreas secas ficam mais secas, enquanto áreas úmidas ficam mais úmidas; e há também eventos climáticos extremos. A água é o coração da adaptação às mudanças climáticas”, concluiu.

Para obter uma cópia do relatório, entre em contato com Paul Cullum da Frontier Economics: p.cullum@frontier-economics.com ou 44 (0) 20 7031 7000.

Autor: Jéssica Lipinski
Fonte: Instituto CarbonoBrasil
Original: http://goo.gl/gVFbm


FOLLOW US / SIGA-NOS:
              



Um enorme contingente de pessoas – um problema real e urgente – pode não ser tão devastador se houver uma transição adequada para outro tipo de economia


Chineses no metrô. (Liu Jin/AFP)

São Paulo – No ano 8000 a.C., quando se encerrava a Idade do Gelo e a agricultura florescia no Crescente Fértil, no Oriente Médio, havia 5 milhões de habitantes no planeta. Numa conta simples, é possível deduzir que cada um deles tinha à sua disposição 30 quilômetros quadrados de terra — o equivalente a quase vinte parques do Ibirapuera paulistano — para caçar, plantar e extrair sem culpa os recursos naturais necessários para a sobrevivência. No próximo dia 20, quando os chefes de governo e de estado chegarem para a Rio+20, a população mundial terá 7,1 bilhões de pessoas. Descontando as áreas aquáticas do globo, sobram a cada um de nós, cidadãos do século XXI, apenas dois quarteirões de área a ser explorada. A rigor, o cálculo é outro — e nada nos sobra, teoricamente.

O uso de recursos naturais já excede em 50% a capacidade de reposição da natureza. Em 2030, serão necessárias duas Terras para garantir o atual padrão de vida da humanidade. É o preço a pagar pelo aumento populacional, resultado de uma longa luta da humanidade pela sobrevivência e contra os efeitos danosos da mortalidade precoce, movimento atrelado aos avanços da medicina e do saneamento. De 1800 a 2010, a economia mundial (o produto interno bruto) aumentou noventa vezes. O impacto da produção e do consumo resultantes do crescimento econômico e populacional na pauperização do ambiente foi avassalador. A despeito desse cenário, a palavra população foi citada apenas duas vezes no chamado Esboço Zero, o rascunho do documento final da Rio+20. O texto, um resumo de 6 000 páginas de sugestões de governos, da sociedade civil e de cientistas e acadêmicos, é uma espécie de roteiro sobre o que deve ser discutido no encontro para, depois, ser posto em prática, com o aval dos governantes. A expressão demografia não aparece nenhuma vez nesse compêndio de tamanha relevância. Esqueceram de nós.

É uma lacuna inconcebível e um tabu que precisa ser enfrentado. Existe um debate acirrado entre correntes que jogam todas as culpas das desgraças ambientais na população, numa linha malthusiana, e outras correntes que consideram a população desimportante — uma discussão que, por ser excessivamente polarizada, cansativa até, pode ter afastado o assunto da pauta. No entanto, não se pode esquivar dos íntimos laços entre população, desenvolvimento econômico e degradação ambiental. Para o Brasil, sede da reunião, o tema população é mais decisivo ainda. O país passa por um período especial, único, que só acontece uma vez na história de cada nação. Chama-se bônus demográfico, o qual já desfrutaram no passado países que se tornaram ricos e desenvolvidos. Nesse período do bônus, a população adulta e em idade ativa torna-se superior à de crianças e idosos. Em 1965, havia noventa brasileiros dependentes para cada 100 em idade economicamente ativa. Hoje, essa relação caiu pela metade: é de 45 para 100. É uma chance rara para o país acelerar o crescimento econômico e social. O fenômeno está ocorrendo agora no Brasil, mas também se estende a outros países em desenvolvimento, como a China e a Índia.

No caso brasileiro, o tema torna-se mais pertinente por um aspecto crucial: se bem utilizado, o período pode representar para o país uma galinha dos ovos de ouro. Somos, pela primeira vez na história recente, uma nação cuja maior parcela de seus habitantes possui entre 20 e 29 anos de idade. De acordo com um estudo dos professores Cássio Turra e Bernardo Queiroz, da Universidade Federal de Minas Gerais, o Brasil tem um potencial de crescimento de 2,5% ao ano gerado exclusivamente pelo bônus demográfico. Em um cenário otimista, a economia poderia crescer em asiáticos 6,5% ao ano até 2030.

Duas questões se impõem. A primeira é saber se o governo investirá de forma consistente em educação e no aprimoramento da força de trabalho para conseguir acompanhar e suprir as necessidades decorrentes do crescimento econômico. A segunda é como aproveitar essa fase rica de transição demográfica para crescer sem degradar ainda mais o ambiente. A Coreia do Sul é um exemplo de país que conseguiu usufruir o período do bônus de forma eficiente. Primeiro, fez o principal. Investiu pesado em educação, preparando pessoas qualificadas para aproveitar ao máximo essa fase demograficamente saudável. Mais recentemente, o governo aproveitou a mão de obra extremamente qualificada para investir na chamada economia verde, que permite o crescimento sem grandes danos ambientais. E está desenvolvendo projetos ecologicamente corretos nas áreas de conservação de energia, reciclagem, redução da emissão de CO2, que incrementam o efeito estufa, recuperação das florestas, prevenção de enchentes e revitalização dos principais rios do país.

Entre os Brics, a China é o país que melhor tem aproveitado o bônus demográfico para acelerar a expansão econômica. Embora a população chinesa tenha parado de crescer, o PIB dobra de tamanho a cada oito anos, desde as reformas de Deng Xiaoping. Os chineses souberam aproveitar a mudança na pirâmide etária para tirar milhões de pessoas da situação de pobreza e construir uma base econômica altamente competitiva. Porém, a um custo ambiental sem precedentes. Dois terços dos rios e dos lagos do país estão contaminados. É na China que se encontram dezesseis das vinte cidades mais poluídas do mundo. Centenas de milhares de chineses morrem por ano em decorrência da água e do ar pútridos do país. As fábricas movidas a carvão criaram vilarejos doentes, nos quais as taxas de tumores malignos são altíssimas.

Não há dúvida de que o sucesso humano dos últimos dois séculos teve um preço elevadíssimo. A poluição do solo, dos rios, lagos e oceanos, a queima de combustíveis fósseis e o desmatamento têm erodido o capital natural e reduzido a riqueza da biodiversidade. O mundo precisa de um acordo global para controlar os efeitos danosos do excesso de consumo, mas que, ao mesmo tempo, garanta a transição demográfica. Em países como o Brasil e seus pares emergentes, o crescimento da faixa de população economicamente ativa resulta, naturalmente, em ampliação do consumo e da exploração dos recursos naturais — apenas demonizá-los de nada adiantará. A Rio+20 é uma boa oportunidade de avanços, desde que seja levado em conta o tanto de gente que vive no planeta.

José Eustáquio Diniz Alves é doutor em demografia da Escola Nacional de Ciências Estatísticas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Autor: José Eustáquio Diniz Alves
Fonte: Exame / Veja
Original: http://goo.gl/Rp6Pg


FOLLOW US / SIGA-NOS:
              




No total, cerca de 130 chefes de Estado e de Governo são esperados no Rio de Janeiro. Foto: Ricardo Moraes/Reuters

A União Europeia vai bater-se “até ao último minuto” para conseguir “compromissos credíveis” e “irreversíveis” na conferência sobre desenvolvimento sustentável, Rio+20, que começa hoje. Mas o comissário do Ambiente admite que será difícil.

Em conferência de imprensa esta tarde em Bruxelas, o líder da delegação da Comissão Europeia na Rio+20, que contará com cerca de 50 pessoas, Janez Potocnik, não escondeu as dificuldades e os riscos de fracasso desta conferência, 20 anos depois da original, a Cimeira da Terra.

“Não temos nenhuma garantia de acordo”, reconheceu. “As pré-negociações organizadas em Nova Iorque não permitiram avançar o suficiente. Esperam-nos dias difíceis”, lamentou. A 2 de Junho, na última etapa negocial das negociações informais sobre o texto de acordo que os líderes mundiais deverão assinar a 22 de Junho, os delegados estavam de acordo apenas em 70 dos 329 parágrafos, ou seja, em 21% do texto.

Ainda assim, Janez Potocnik disse estar “optimista”, lembrando que desde a primeira cimeira em 1992 o mundo fez muitos progressos, se bem que insuficientes. “Milhões ainda passam fome todos os dias. Se continuarmos a consumir recursos a este ritmo, em 2050 precisaremos do equivalente a dois planetas para nos sustentar e as aspirações de muitos a uma melhor qualidade de vida nunca serão satisfeitas”, acrescentou.

Em termos simples, Janez Potocnik considera que o tema central da Rio+20, a “economia verde”, é “a nossa estratégia de sobrevivência”. “Precisamos mudar a forma como crescemos e criar uma nova estrutura circular, onde nada se desperdice.”

Da Rio+20, a Comissão Europeia quer que saía “algo irreversível e que tenha um impacto real nas nossas vidas”. Mais concretamente, a União Europeia sugeriu metas e objectivos para cinco “pilares da vida”: água, oceanos, solos e ecossistemas, energia sustentável e eficiência de recursos.

Uma das propostas que Bruxelas gostaria de ver aprovada no Rio+20 seria o “acordo de grandes empresas privadas para passarem a incluir a sustentabilidade nos seus relatórios anuais, ou então, para explicarem por que não o fazem”, disse o comissário.

Além de Janez Potocnik, outros três comissários vão participar na conferência Rio+20: Connie Herdegaard (Alterações Climáticas), Dacian Ciolos (Agricultura) e Andris Piebalgs (Desenvolvimento). O presidente da Comissão Europeia, José Durão Manuel Barroso, prevê juntar-se aos dirigentes políticos no Rio.

A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável dá hoje o seu pontapé de partida. Mais de 50 mil pessoas são esperadas no Rio de Janeiro. Delegações de 176 país e cerca de 130 chefes de Estado e de Governo retornam às negociações, primeiro numa sessão preliminar entre hoje e sexta-feira, e depois na conferência propriamente dita, de 20 a 22. Dezenas de eventos paralelos vão mobilizar empresas, organizações governamentais, autarquias e cidadãos.

Fonte: Ecosfera – Público
Original: http://goo.gl/SiW4A


FOLLOW US / SIGA-NOS:
              

%d bloggers like this: