Investigadores detectam metais pesados em pinguins na Antárctida



Uma das espécies estudadas foi o pinguim-de-Adélia

As penas de três espécies de pinguins na Antárctida têm vestígios de vários metais pesados, alerta um estudo de investigadores espanhóis, publicado recentemente na revista “Environmental Pollution”.

A Antárctida é normalmente considerada uma das regiões do planeta mais intocadas pelas actividades humanas. Mas um estudo da Universidade de Múrcia mostra que isso pode não corresponder bem à verdade.

Uma equipa coordenada por Silvia Jerez e Miguel Motas analisou as penas de 207 pinguins-de-Adélia (Pygoscelis adeliae), pinguins-de-barbicha (Pygoscelis antarcticus) e pinguins-gentoo (Pygoscelis papua), em oito locais diferentes da Península antárctica, e encontrou concentrações de metais pesados como o chumbo, cádmio, níquel, cobre, zinco, arsénio e alumínio.

De acordo com o estudo, os níveis mais elevados de vários metais foram encontrados na Ilha King George e na Ilha Deception, situação que os investigadores justificam com a maior presença humana a nível local – quer pelo turismo quer por actividades científicas em curso – e com uma ameaça mais global, a través do transporte de poluentes vindos de outras partes do mundo.

Os investigadores lembram que a contaminação encontrada na Antárctida é semelhante àquela encontrada em outras regiões do planeta, à partida mais poluídas.

Autor: Helena Geraldes
Fotografia: Steve Morgan / Reuters
Fonte: Ecosfera – Público
Original: http://bit.ly/nqNlNl


FOLLOW US / SIGA-NOS:
              

Leave a Reply / Deixe um comentário

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: