As feridas abertas da tríplice catástrofe japonesa – e o medo de uma nova



Hoje, completa um ano do grande terremoto e tsunami, seguidos de uma crise nuclear, que atingiram o Japão; enquanto ainda se recupera, país teme novo abalo


Sem destino: ao menos 300 mil pessoas – que perderam suas casas nas tragédias – ainda vivem em moradias temporárias ou apartamentos alugados. (Fotografia: Getty Images)

O dia 11 de março nunca mais será o mesmo para o povo japonês. Este domingo marca um ano do terremoto e tsunami que devastaram o nordeste do país, detonando uma emergência atômica que transformaria Fukushima numa cidade fantasma e mudaria os rumos da energia nuclear no mundo.

Em meio às cerimônias de homenagem aos cerca de 20 mil mortos e desaparecidos, os japoneses ainda lutam para reconstruir cidades inteiras e tratar outras feridas que ainda não cicatrizaram. Ao menos 300 mil pessoas – que perderam suas casas no tsunami ou tiveram de abandoná-las em função do acidente nuclear – ainda vivem em moradias temporárias ou apartamentos alugados, sem destino certo.

Muitos gostariam de retornar às cidades de origem, afetadas por algum dos desastres, mas suas respectivas prefeituras ainda não chegaram a um consenso sobre se é seguro ou não permitir esse retorno. O desafio da reconstrução, que se aplica aos 59 municípios diretamente afetados pelas catástrofes, é intensificado por problemas financeiros.

A construção de novas moradias em regiões mais altas e, por consequência, mais seguras, está sendo cogitada, embora não desperte simpatia dos governos locais, que alegam que tais projetos têm custo elevado demais devido à complexa geografia da região.

Além das residências, o país também precisa reerguer hospitais, escolas e outras estruturas públicas. Estima-se que a reconstrução custará cerca de 400 bilhões de reais, o equivalente ao PIB de Portugal.

Entulho no caminho

A tragédia japonesa também deixou um rastro de toneladas de lixo que, pelo ritmo de remoção, vai demorar para desaparecer. Segundo o governo, três das cidades mais afetadas – Iwate, Miyagi e Fukushima – geraram sozinhas 23 milhões de toneladas de entulho, sendo que apenas 5% desse total recolhido foi processado até agora.

Não significa que as ruas vivem abarrotadas de resíduos e escombros da destruição. Ao realizar a varredura, as autoridades cuidaram de juntar o entulho em áreas específicas. Calcula-se que serão necessários o equivalente a 16 bilhões de reais para dar conta por processamento ou incineração de todo esse entulho.

Um novo modelo energético

Além de recuperar estruturas urbanas e amenizar as feridas sociais, o Japão enfrenta o dilema de encontrar um novo modelo energético. A emergência nuclear que se abateu sobre Fukushima obrigou o país a rever o uso da energia atômica, responsável então por um terço do suprimento energético do país.

Hoje, apenas dois dos 54 reatores japoneses estão em atividade, enquanto o restante passa por revisões. O abalo energético inevitavelmente afetou a terceira maior economia do mundo, bastante dependente da exportação. Não à toa, o Japão registrou no primeiro mês de 2012 seu maior déficit comercial nas últimas três décadas.

O medo de um tremor pior

Um ano depois do terremoto, os japoneses temem um novo e mais violento tremor, dessa vez em Tóquio. Pesquisadores nipônicos anunciaram uma pesquisa preocupante que aponta probabilidade de 50% da megalópole ser atingida por um novo terremoto de grande intensidade nos próximos quatro anos.


Iwate, Miyagi e Fukushima geraram 23 milhões de toneladas de entulho. (Fotografia: Getty Images)

Segundo os cientistas, desde o sismo de 9 graus na escala Ritcher de 2011, a atividade telúrica terrestre tem se intensificado no arquipélago, que se situa sobre quatro placas tectônicas.

Para se ter uma ideia, no último ano, Tóquio registra por dia uma média de 1,48 sismos de magnitude superior a 3, cinco vezes mais do que antes do terremoto de março passado.

Autor: Vanessa Barbosa
Fonte: Exame
Original: http://bit.ly/wS5TZk


FOLLOW US / SIGA-NOS:
              

Leave a Reply / Deixe um comentário

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: