Archive

Monthly Archives: April 2012




Os frigoríficos são uma das oito categorias de produtos abrangidas pelo projecto. Foto: Rui Gaudêncio

Os automóveis, electrodomésticos e aparelhos electrónicos que consomem menos energia vão passar a ter mais destaque no mercado, depois de 16 marcas terem aderido hoje ao Selo Topten, da Quercus.

A iniciativa Selo Topten, lançada hoje em Lisboa, conta, para já, com as marcas Ford, Lexus, Mitsubishi, Nissan, Renault, Toyota, Mazda, Tensai, Gorenje, LG, Liebherr, Whirlpool, Miele, Canon, Oki e Philips, segundo um comunicado da Quercus. Estas comprometeram-se a “divulgar, no mercado, os produtos distinguidos pelo projecto Topten, como os mais eficientes em termos de consumo energético”.

De momento, o selo abrange oito categorias de produtos, desde as máquinas de lavar roupa e loiça, passando pelas lâmpadas de baixo consumo, frigoríficos, arcas e congeladores, até às impressoras e multifunções, monitores e ainda automóveis.

“Este selo é uma ferramenta para divulgar as marcas mais eficientes, com mais preocupações em desenvolvimento tecnológico e boas práticas ambientais dos consumidores”, disse Francisco Ferreira, da Quercus. “Será mais uma útil ajuda para os consumidores identificarem, directamente nos suportes publicitários e nos pontos de venda, os produtos menos consumidores em termos energéticos.”

A Quercus começou a trabalhar no projecto Topten em 2007, iniciativa que está a ser implementada em 19 países europeus e que recentemente foi alargada aos EUA e China.

Autor: Helena Geraldes
Fonte: Ecosfera – Público
Original: http://bit.ly/Ix5V3U


FOLLOW US / SIGA-NOS:
              

Advertisements



Both sides of politics are expecting a significant power price rise from the IPART today. They disagree on the cause. (Gary Rivett: ABC News)

The New South Wales Government is predicting households will soon be paying an extra $300 a year for electricity, but the Federal Government has rejected suggestions its carbon tax is to blame.

The state’s Independent Pricing and Regulatory Tribunal’s (IPART) draft recommendations for electricity prices are due out today.

State Energy Minister Chris Hartcher is anticipating a sharp increase in power prices.

He says the carbon tax and green schemes such as the Renewable Energy Target scheme are the main reasons for the price spike.

“Unless the carbon tax and the green schemes are scrapped, it’s estimated that the average household in New South Wales will pay an additional $300 a year or more,” Mr Hartcher said.

“Now power bills have been rising sharply over recent times and an increase of this magnitude, over $300 a year, is going to hit families hard, is going to hit businesses hard.

“Don’t go ahead with the carbon tax, or if you have to go ahead with the carbon tax, despite every indication that you shouldn’t, at least scrap these green schemes, which are unaffordable.”

Federal Climate Change Minister Greg Combet has rejected Mr Hartcher’s criticism.

“When you look at what’s been driving electricity price increases in New South Wales in recent years, and what we’d expect from IPART today, the overwhelming contributing factors are state factors,” he said.

“Things such as the investment in the poles and wires or the solar panel rooftop programs that have been run out of New South Wales. That’s what’s been fundamentally driving electricity price rises.”

Mr Combet says households will be compensated for any power price rise associated with the carbon tax.

“Any electricity price rise that IPART indicates today that is attributable to the carbon price coming in is met by the Federal Government paying tax cuts to families, increasing family tax benefits for families with kids, an increase in the single pension, an increase in the pension for couples, payments for self funded retirees,” Mr Combet said.

Author: Mark Tobin – NSW political reporter
Source: Australian Broadcasting Corporation
Original: http://bit.ly/IujX7w


FOLLOW US / SIGA-NOS:
              




Nesta terça-feira, a Associação Paulista de Supermercados apresenta a campanha pela substituição das sacolas descartáveis por reutilizáveis

Supermercados de SP deixam de distribuir sacos plásticos

São Paulo – A partir de amanhã (4), os supermercados paulistas não vão mais distribuir sacolas plásticas para os consumidores, medida que vigorou por cerca de oito dias no fim de janeiro. À época, após protestos, a Associação Paulista de Supermercados (Apas), o Ministério Público Estadual e o Procon-SP firmaram acordo para que as sacolas plásticas fossem fornecidas por mais 60 dias, tempo considerado necessário para a adaptação dos consumidores.

Hoje (3), a Apas apresenta a campanha pela substituição das sacolas descartáveis por reutilizáveis. Será às 11h, na sede da instituição, na Lapa.

No Rio, a Coordenadoria de Combate aos Crimes Ambientais (Cicca), da Secretaria de Estado do Ambiente, e o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) vão vistoriar, a partir das 9h30, o cumprimento da Lei das Sacolas Plásticas (Lei 5.502/09) em diversos supermercados do centro da cidade.

O secretário estadual do Ambiente, Carlos Minc, autor da Lei das Sacolas Plásticas, vai participar da operação que visa ao consumo consciente e estimula a redução do uso de sacolas descartáveis. Os infratores podem ser multados em até R$ 28 mil. A equipe de fiscalização vai sair da sede da secretaria, na Praça Mauá.

Fonte: Exame / Agência Brasil
Original: http://bit.ly/HpOJ1H


FOLLOW US / SIGA-NOS:
              




The aim of carbon capture is to is to prevent CO2 escaping into the atmosphere

A renewed attempt to develop ways of making power stations greener has been unveiled by the UK government.

For the second time in five years, £1bn will be offered for schemes to trap and bury carbon dioxide.

An earlier competition collapsed after all nine entrants pulled out, most citing cost as the main problem.

The last to withdraw was a project run by Scottish Power at its Longannet station in Fife, and the prize money was not awarded.

Known as “carbon capture and storage” (CCS), the idea is to prevent CO2 escaping into the atmosphere.

A major part of the government’s low-carbon strategy, CCS has been plagued by delays and uncertainty.

Launching the renewed competition and a roadmap towards commercialising CCS, Ed Davey, Energy and Climate Change Secretary, said the industry could be worth £6.5bn a year to the economy by the late 2020s.

“What we are looking to achieve, in partnership with industry, is a new world-leading CCS industry, rather than just simply projects in isolation,” he said.

“The potential rewards from carbon capture and storage are immense: a technology that can de-carbonise coal and gas-fired power stations and large industrial emitters, allowing them to play a crucial part in the UK’s low carbon future.”

Its attraction is that existing fossil fuels including coal and gas can be burned without releasing the usual quantities of CO2, the key greenhouse gas.

Instead of being vented into the air, the gas would be trapped and then piped into long-term storage in old oil fields under the North Sea.

The concept divides environmentalists. Some argue that it makes sense to find cleaner ways of using fossil fuels, while others fear it gives coal and gas another lease of life, which would be counterproductive in the long-term campaign against climate change.

The original hope was for British firms to design systems that could be fitted to the soaring numbers of coal plants in China and India to reduce their emissions.

However, the research has proved costlier and more complicated than many expected, and the timescale keeps slipping.

Tom Greatrex, Labour’s Shadow Energy Minister, said in a statement: “The UK has the potential to be a world leader in this vital low-carbon technology, and therefore the launch of the roadmap and competition are welcome.

“But there are still important questions that the government failed to answer today. The commercialisation programme contained no detail about the impact of Danny Alexander’s raid on the £1bn CCS budget last year. Investors need to know exactly how much money will be available, and when.”

Revised rules

Only last month, the National Audit Office criticised the government for taking “too long to get to grips” with the commercial and technical risks involved.

Now, ministers are hoping that by revising the rules for the competition they will have a better chance of attracting more interest.

In the last contest, entries were originally limited to designs that could only be used at power stations burning coal, not gas.

And the rules also only allowed systems that trapped carbon dioxide after the fuel was burned – so-called “post-combustion”.

By contrast, the new competition will be open to coal and gas stations, and to schemes that attempt to capture carbon before combustion.

As one official put it to me: “Lessons have been learned and we’re not closing our eyes to what industry is suggesting.”

A three-month consultation opens with selected projects expected to be running by 2016-2020.

But, as with the last competition, a key factor will be viability. Although many of the technologies have been proven at a small scale, no industrial-scale project has yet been tested.

Prof Jim Watson of the UK Energy Research Centre welcomed the new competition but warned of the uncertainties that lie ahead.

“We still don’t know when these technologies will be technically proven at full scale, and whether their costs will be competitive with other low-carbon options.

“These questions need answering urgently,” he said.

A further concern is price. With the precise designs still to be settled, estimates for future running costs are uncertain, including the price of emitting carbon and the size of low-carbon subsidy.

The question of costs was raised by the union Prospect, which welcomed the decision but called for more clarity about financing.

The union’s Head of Research, Sue Ferns, said that to ensure the success of CCS, it “must be integrated with electricity market reform.

“Market uncertainty remains a key barrier to investment across energy industries.”

And she warned against seeking to reduce the costs too prematurely before the systems were proven.

“Government is understandably keen to reduce the costs of CCS deployment, but the first priority must be to make sure it works effectively on a commercial scale,” she said.

The announcement comes amid uncertainty about the government’s energy policy, after RWE and e.ON pulled out of a major project for new nuclear power stations last week.

The policy has four key strands: new nuclear stations, a huge expansion of renewables like wind, efficiency measures to cut energy use and reducing emissions from coal and gas by using carbon capture and storage.

So the new announcement marks another important effort to revive a potentially crucial technology that has faltered so far.

The government’s CCS roadmap

– ‘CCS Commercialisation Programme’ provides £1bn in competitive capital funding
– Intended to support the design and construction of practical systems
– Projects must be in UK and operational by 2016-2020; CO2 storage to be sited offshore
– Ministers hope to spur industrial expertise that can be sold abroad
– £125m for R&D, including a new £13m UK CCS Research Centre

Author: David Shukman – Science editor
Source: BBC News
Original: http://bbc.in/Ha8SvW


FOLLOW US / SIGA-NOS:
              




A legislação europeia entrou em vigor a 1 de Janeiro de 2012. (Foto: Ahmed Jadallah/Reuters)

A comissária europeia para o Clima, Connie Hedegaard, minimizou o custo gerado pela introdução da taxa europeia sobre as emissões de dióxido de carbono dos aviões.

Com a introdução deste imposto, muito criticado pela China e pelos Estados Unidos, “um voo de Pequim para Frankfurt, por exemplo, custaria cerca de dois euros a mais por passageiro”, disse a comissária europeia numa entrevista ao jornal económico francês Les Echos, publicada nesta sexta-feira.

“Por outras palavras, valores abaixo do preço de um café no aeroporto”, acrescentou, reiterando que é “importante não perder de vista as ordens de grandeza”, quer seja do ponto de vista das companhias aéreas como dos países que se opuseram à introdução deste imposto.

Em meados de Março, a Airbus e seis companhias aéreas europeias (British Airways, Virgin Atlantic, Lufthansa, Air France, Iberia e Air Berlin) uniram forças para alertar os líderes dos governos francês, alemão, britânico e espanhol “sobre as consequências económicas” deste imposto, que consideraram uma ameaça “inaceitável” para a indústria do transporte aéreo.

Numa carta datada de 22 de Março dirigida ao presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, o primeiro-ministro francês, François Fillon, sublinhou esta “profunda preocupação por parte da indústria” e deu como exemplo a suspensão por parte da China de um “grande pedido de Airbus”.

A China congelou as encomendas de 55 aviões Airbus, avaliados em 14 mil milhões de dólares (10,7 mil milhões de euros euros), o que levou o presidente daquela empresa europeia a afirmar que por causa desta situação dois mil postos de trabalho estão em risco.

“Guerra comercial”

“Nós, europeus, não podemos, naturalmente, ceder a essas ameaças”, disse em reacção Hedegaard, sublinhando que “os custos dos direitos de emissão chineses são estimados em aproximadamente 1,9 milhões de euros este ano”. “É pouco, muito pouco para ameaçar com uma guerra comercial”, afirmou.

As discussões sobre esta taxa decorrem actualmente no âmbito da Organização de Aviação Civil Internacional (ICAO, na sigla em inglês), estando uma nova reunião prevista para Junho.

A legislação europeia, que entrou em vigor a 1 de Janeiro de 2012, obriga as companhias que operam na União Europeia, independentemente da nacionalidade, a comprarem o equivalente a 15% das suas emissões de CO2, ou 32 milhões de toneladas, para lutar contra o aquecimento global.

Bruxelas já disse que a taxa sobre as emissões de dióxido de carbono vai ajudar a União Europeia a alcançar o objectivo de reduzir as emissões de gases de efeito estufa em 20%, até 2020.

A China, a Rússia, a Índia e os Estados Unidos são alguns dos países, entre mais de duas dezenas, que se opõem ao sistema europeu de emissões, aplicável a todos os aviões que aterram ou levantam voo na Europa.

Fonte: Ecosfera – Público / LUSA
Original: http://bit.ly/HGEOSD


FOLLOW US / SIGA-NOS:
              



About 12 tonnes of radioactive water is believed to have leaked from the Fukushima plant into the ocean. (TEPCO)

Plant operator TEPCO believes most of the water flowed into the Pacific Ocean. It says the contaminated water leaked from a treatment pipe.

The water contained radioactive strontium which tends to accumulate in bones and can cause leukaemia.

It is the second time in two weeks there has been a leak of contaminated water from the nuclear plant, prompting yet another apology from TEPCO.

About 120 tonnes of radioactive water leaked at the plant’s water decontamination system last month and about 80 litres seeped into the ocean, according to TEPCO.

The water, once it has been used to cool the reactors, contains massive amounts of radioactive substances and is put into the water-processing facility so it can be recycled for use as a coolant.

“Our officials confirmed that cooling water leaked at a joint in the pipes,” a TEPCO spokesman said, adding that “it is possible that part of the water may have flowed outside the facility and poured into the ocean”.

The leak has since been plugged, the spokesman added, saying the utility was probing the cause of the accident and how much, if any, water flowed into the Pacific.

The plant, about 220 kilometres north-east of Tokyo was crippled by meltdowns and explosions caused by Japan’s massive earthquake and tsunami in March last year.

Radiation was scattered over a large area and made its way into the sea, air and food chain in the weeks and months after the disaster.

Tens of thousands of people were evacuated from their homes around the plant and swathes of the zone remain badly polluted.

The clean-up is proceeding slowly, amid warnings that some towns could be uninhabitable for three decades.

Author: Mark Willacy
SourcE: ABC/AFP
Original: http://bit.ly/HZmMRt


FOLLOW US / SIGA-NOS:
              



Pesquisadores acreditam que o declínio no número de abelhas que vem ocorrendo por todo o mundo pode estar relacionado à popularização de inseticidas neonicotinoides, amplamente utilizados nos últimos 20 anos

As abelhas são muito importantes para a polinização de diversas espécies de plantas, algumas essenciais para os seres humanos. Estima-se que, só nos Estados Unidos, a polinização apícola tenha o valor de US$ 8 a 12 bilhões, e, segundo o Departamento de Agricultura norte-americano, “cerca de um terço da [nossa] dieta é direta ou indiretamente beneficiada pela polinização das abelhas”.

Por essa razão, o declínio no número de abelhas que vem ocorrendo nos últimos anos por todo o mundo preocupa cientistas, que buscam descobrir a razão da diminuição das populações. Entre os fatores considerados, estão doenças, parasitas, perda de habitat e alimentos e o uso de pesticidas, mas não há consenso sobre o que tem causado essa redução.

“Algumas espécies de abelhas diminuíram enormemente. Por exemplo, na América do Norte, muitas espécies, que costumavam ser comuns, mais ou menos desapareceram do continente inteiro. No Reino Unido, três espécies foram extintas”, comentou Dave Goulson, da Universidade de Stirling.

Na última semana, no entanto, foram lançados dois estudos que indicam que a diminuição no número de abelhas e colmeias pode estar relacionada ao uso de pesticidas. Ambos os estudos utilizaram em seus testes inseticidas neonicotinoides, um pesticida que se tornou muito popular e amplamente usado a partir da década de 1990.

“O uso de pesticidas é tão disseminado que a maioria das colônias de abelhas em áreas de fazendas aráveis provavelmente está exposta a eles, então há potencial para que eles estejam tendo um papel significativo na supressão das populações de abelhas em uma escala bastante surpreendente”, observou Goulson, coautor da pesquisa inglesa.

O estudo francês analisou a relação entre o inseticida tiametoxame e a abelha-europeia (Apis mellifera), e descobriu que o pesticida tem uma ação no mecanismo de navegação dos animais, que os permite sair da colmeia para buscar alimento e depois voltar para o grupo.

Na primeira parte da pesquisa, foram colocados transmissores nas abelhas para rastreá-las e parte dos animais foi submetida a uma dieta com tiametoxame, enquanto a outra parte foi alimentada normalmente. O resultado mostrou que as abelhas nutridas com a dieta com tiametoxame tinham duas a três vezes mais chance de se perderem e não voltarem à colmeia do que as que não haviam sido expostas ao pesticida.

Na segunda parte, os pesquisadores criaram um modelo baseado nos dados do teste para estimar como a colmeia seria afetada pela perda dessas abelhas. Sob essas condições, eles concluíram que a população da comunidade poderia cair em 60% ou mais, dependendo de quantas abelhas-operárias eram expostas ao tiametoxame.

“Pesticidas sistêmicos, em particular, se espalham por todos os tecidos [da planta] à medida que elas crescem, e eventualmente contaminam néctar e pólen. As abelhas que coletam alimento estão diretamente expostas, mas o resto da colônia também, já que as abelhas alimentadoras que retornam armazenam ou trocam material contaminado”, escreveu Mikaël Henry, do Instituto Nacional Francês para Pesquisa Agrícola (INRA), principal autor do estudo.

“O que descobrimos é que, na verdade, se as colônias forem expostas a pesticidas, a população pode diminuir a um ponto que a colocaria em risco de colapso devido a outros fatores estressantes”, continuou Henry.

Já o estudo inglês observou a ligação entre o inseticida imidaclopride e a Bombus terrestris, popularmente conhecida como mamangaba ou abelhão. Os resultados mostraram que o pesticida tem um efeito direto na coleta de alimentos por parte das abelhas-operárias, e afeta também o desenvolvimento de abelhas-rainha, responsáveis pela criação de novas colmeias.

Primeiramente, a pesquisa expôs um grupo de abelhas ao imidaclopride. Depois de seis semanas, os cientistas pesaram as colmeias dos animais que haviam sido expostos e fizeram o mesmo com ninhos de abelhas que não haviam entrado em contato com o inseticida. Os resultados foram comparados e mostraram que as colmeias das abelhas expostas pesavam 8% a 12% menos, o que indica que estes animais estavam conseguindo coletar menos alimento.

Depois disso, o estudo analisou o número de abelhas-rainhas que se desenvolveram em cada colônia, e chegou a conclusões alarmantes: as colmeias expostas ao imidaclopride haviam produzido uma ou duas rainhas, enquanto as não expostas tinham criado 14, ou seja, houve uma redução de 85% no número de rainhas.

“As abelhas têm um ciclo de vida anual e são apenas as novas rainhas que sobrevivem ao inverno para fundar colônias na primavera. Nossos resultados sugerem que níveis residuais de pesticidas neonicotinoides podem ter uma forte consequência negativa para a produção da rainha nas colônias de abelhas sob condições reais de campo, e isso provavelmente têm um impacto substancial em nível de população”, declararam os autores ingleses.

“Não diria que isso prova que os neonicotinoides são a única causa dos problemas que as abelhas enfrentam, mas sugere que eles provavelmente são uma das causas, e possivelmente uma significativa”, disse Goulson.

Ambas as pesquisas causaram polêmica na comunidade científica e na indústria agrícola, dividindo opiniões. Alguns cientistas defenderam integral ou parcialmente os estudos, alegando que estes são convincentes mesmo que os neonicotinoides não sejam a única causa da redução no número de abelhas.

“Cinquenta anos de experiência deveriam ter nos ensinado que o uso excessivo de uma única classe de componentes é uma prática inerentemente insustentável, e que pré-tratar sementes quando problemas de peste não estão sequer presentes é enormemente imprudente”, afirmou May Berenbaum, entomologista da Universidade de Ilinóis.

“Mas neonicotinoides poderiam ser banidos em todo o mundo e as abelhas ainda teriam problemas com patógenos, parasitas, degradação de habitat e uso excessivo de todas as classes de outros pesticidas químicos”, acrescentou Berenbaum.

“Há três ou quatro anos, eu era muito mais cauteloso sobre o quanto pesticidas estavam contribuindo para o problema. Agora, mais e mais evidências apontam para pesticidas como sendo uma parte consistente do problema”, disse Jeffery Pettis, especialista em abelhas do USDA.

“O estudo das mamangabas usou uma dose muito real [de pesticida] e o efeito na reprodução foi a principal descoberta. O estudo foi muito convincente na minha opinião em ser realista e mostrar o impacto significativo na reprodução”, continuou Pettis.

Outros pesquisadores e parte da indústria agrícola, no entanto, criticaram os estudos, justificando que o nível de inseticida utilizado nas pesquisas é muito maior do que o encontrado em campo. “Acho que eles selecionaram um nível de dose impróprio”, sugeriu David Fischer, ecotoxicologista da Bayer CropScience.

“Embora levemos boas pesquisas muito a sério, nos últimos quatro anos autoridades independentes na França monitoraram de perto o uso do Cruiser – o produto que contém tiametoxame – em mais de 1,9 milhões de hectares. Quando apropriadamente usado, nenhum caso de mortalidade de abelhas foi registrado”, alegou um porta-voz da Syngenta.

Henry, entretanto, lembrou que mesmo que não haja doses letais dos pesticidas em campo, ainda assim pode haver o suficiente para alterar alguns comportamentos das abelhas, o que prejudica a conservação de sua população indiretamente.

“Nosso estudo levanta questões importantes a respeito de procedimento de autorização de pesticida. Até agora, eles exigem em sua maioria que os produtores garantam que as doses encontradas no campo não matem abelhas, mas eles basicamente ignoram que as consequências das doses não as matam, mas podem causar dificuldades comportamentais”, justificou o pesquisador do INRA.

Além disso, Goulson questionou os estudos citados pelo porta-voz da Syngenta. “Se eles fizeram esses estudos, onde estão eles? Eles não estão em domínio público, e, portanto, não podem ser controlados. Isso levanta a questão de quão bons eles são.”

Por fim, o cientista da Universidade de Stirling enfatizou que “o uso de pesticidas neonicotinoides em plantações de flores claramente representa uma ameaça para a saúde [das abelhas], e necessita urgentemente ser reavaliado. Eu pessoalmente gostaria de vê-los não serem usados até que mais pesquisa seja feita. Se for confirmado o que descobrimos, então eles certamente não deveriam ser usados, já que vão ser alimento de abelhas”.

Algumas autoridades governamentais declararam que farão mais pesquisas para avaliar os riscos que os neonicotinoides apresentam, e estudarão a possibilidade de alterarem algumas regulamentações se os malefícios se confirmarem.

“O Reino Unido tem um sistema forte de avaliar riscos de pesticidas e toda a evidência mostra que neonicotinoides não apresentam um risco inaceitável a abelhas quando os produtos são usados corretamente. No entanto, não hesitaremos em agir se formos apresentados a qualquer nova evidência”, disse um porta-voz do governo britânico.

“Embora nosso entendimento do papel potencial dos pesticidas no declínio na saúde de polinizadores ainda esteja progredindo, continuamos procurando aprender quais mudanças regulatórias podem ser efetivas”, afirmou a Agência de Proteção Ambiental dos EUA.

Autor: Jéssica Lipinski
Fonte: Instituto CarbonoBrasil
Original: http://bit.ly/Huhl7M


FOLLOW US / SIGA-NOS:
              

%d bloggers like this: