Tecnologias verdes made in Brasil tomam Rio+20



Engenheiros mostram como é possível reduzir o dano ambiental através de inovações desenvolvidas no país


Stand da empresa no evento apresenta ações e novidades voltadas para sustentabilidade

São Paulo – Pavilhões representando diversos países durante a Rio+20 preenchem o gigantesco espaço do Parque dos Atletas, uma principais locais de eventos durante a conferência. Uma das estruturas, no entanto, é dedicada exclusivamente à mostra de pesquisas realizadas por profissionais brasileiros. O estande da Coppe/UFRJ, referência em estudos de engenharia, inaugurou uma pequena exposição com ideias e tecnologias que podem ajudar a transformar o discurso sobre o meio ambiente em ações de efeito. Uma delas é o uso do cimento ecológico capaz de minimizar o impacto de um dos grandes poluidores mundiais, a construção civil.

A indústria do cimento responde por cerca de 5% das emissões mundiais de gás carbônico. As estimativas da Coppe são de que o uso de resíduos agroindustriais na substituição de 40% do cimento reduza, no Brasil, até 17 milhões de toneladas na emissão anual de gás carbônico dessa indústria. O estudo destaca ainda ser possível que um milhão de famílias de agricultores do Nordeste, cuja renda vem do sisal, sejam beneficiadas com o uso de fibras vegetais na construção civil. Atualmente, a produção global da indústria cimenteira é de 3,3 bilhões de toneladas de cimento por ano.

Outra novidade possível, na área da redução do consumo de combustíveis fósseis, é proposta na Rio+20 pelos engenheiros. A ideia é aumentar o ciclo de vida dos plásticos e reduzir o descarte no meio ambiente. Seria criado um plástico especial, com maior durabilidade e capaz de ser transformado em matéria-prima, coisa que não acontece hoje em dia. Ao não precisar de nova matéria-prima para a fabricação de plásticos, que são feitos de petróleo, deixa de consumir combustível fóssil.

Das 14 tecnologias expostas, também chama atenção a usina de ondas. O objetivo é gerar energia através da movimentação das águas marítimas. O Porto do Pecém, no Ceará, tem uma dessas estruturas, que entrará em operação este ano. A usina pode ser uma alternativa viável para o Brasil, que tem oito mil quilômetros de costa e a preocupação em encontrar fontes de energia limpa e renovável. O potencial se compara a uma micro-hidrelétrica. No Pecém, deve chegar a 125 quilowatts por gerador. Será a primeira usina de onda da América Latina. Segundo estudos da Coppe, o mar brasileiro pode aumentar em até 17% a capacidade total de energia elétrica instalada no país hoje.

No setor dos transportes, a novidade no Brasil é o trem de levitação magnética, existente no Japão, China e Coreia. O plano da Coppe é o de atrair investimentos para a montagem de uma linha dessas ligando os aeroportos Santos Dumont e o Internacional Antônio Carlos Jobim. Segundo os pesquisadores, a construção sai um terço mais barata do que o metrô. Os trilhos, por terem ímãs, são mais caros. Mas a compensação está no fato de não precisar escavar túneis para a passagem desses trens, que são silenciosos.

Autor: Cecília Ritto
Fonte: Exame / Veja
Original: http://goo.gl/Lkugf


FOLLOW US / SIGA-NOS:
              

Leave a Reply / Deixe um comentário

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: