Archive

Tag Archives: Brazil



Environmental and indigenous groups have protested the Xingu River project, which the government says is needed to bring power to the booming country. One villager is waiting as long as he can to leave.


Valcione da Silva makes a living catching tiny, delicate fish in Brazil’s Xingu River. A dam project is forcing him and many others from their homes and livelihoods. (Matthew Teague / Los Angeles Times / December 29, 2012)

SANTO ANTONIO, Brazil — The wind blows in from the river, mingling with the scent of the day’s last meal in the kitchen. The smells of work and home for Valcione da Silva. He sits on a worn bench and watches children play on the floor, laughing. Somewhere outside, a siren begins, long and loud.

Da Silva reaches beneath his bench to retrieve two knives, double-edged like daggers. They’re not weapons, he says, clattering them together. They’re special fishing tools. “Only wood,” he says. He ignores the siren.

He pulls out what appears to be a string of plastic Coke bottles dangling from a belt. “Look,” he says, pressing into the side of a bottle. It flexes open along a slit in the plastic. When he lets go, it springs closed again. “Very simple. I can keep them alive in here.” His fish are delicate, he says.

A moment later a thunderous WHOOMP shakes the little home, and a concussion rolls the air like a wave on the river. Dirt dances on the floor. The nearly bare shelves rattle. Another WHOOMP, and outside in the yard, the leaves of Da Silva’s mango tree flicker green and silver.

Da Silva walks to his doorway with his wooden daggers, and looks like a man standing at the edge of the world.

Over the last year the villagers around him have packed up and left. A few days ago the school closed, because all but Da Silva’s children had left. His wife was the teacher, so she continues their lessons at home. Santo Antonio would look like a ghost town, except that bulldozers have leveled all the empty homes.

Da Silva watches the trucks as they rumble past, carrying countless tons of earth, blown with dynamite from the hillsides where he was born.

“I want to stay and fish,” the 36-year-old says. But it’s early December, and he’ll have to leave soon; clever men with clipboards have outmaneuvered him.

In the morning, he says, he will do the only thing within his power. He’ll break the law.

***

Progress and the past are colliding at Da Silva’s doorway.

His small home sits at the foot of the Belo Monte dam site, where a consortium is building the third-largest dam in the world, almost four miles across the Xingu River, a $16-billion construction project in the heart of the Amazon basin.

Indigenous peoples and environmental groups have cried out against the dam for reasons local and global; the people here depend on the mighty Xingu River — one of the Amazon’s largest tributaries — for transportation, and their livelihoods. Environmental groups say the dam will destroy rain forest that the world needs to breathe. The builders counter that millions of Brazilians need the electricity, and construction continues.

There had always been talk of a gigantic dam. During the dictatorships of the 1970s, important men made speeches about the riches of the Amazon, waiting to be discovered.

In 1972, President Emilio Medici showed up with a construction crew just outside Santo Antonio. The president cut down a Brazil nut tree — a symbol of the rain forest — and stood on its fresh stump to make a speech about bringing industry, roads and population to the Amazon. Part of the plan, starting in 1975, was to build a massive hydroelectric dam.

There’s a pattern, in Brazilian history, of industries focusing on one natural resource, stripping it, and moving on to another. When Portuguese colonials arrived, the Brazil nut tree was so plentiful that the explorers named the country after it. Now the trees are endangered. Later prospectors found so much gold that they named an entire state Minas Generais, or General Mines. The gold is dwindling too. The same happened with the rubber trees, and the diamonds.

The Amazon’s river system, though, seemed to resist progress for many years. The first bridge in the entire Amazon basin wasn’t built until 2010. The area was too difficult to reach. Too wild a riverbed. Populated by too wild a people.

The dictator’s workers symbolically paved the top of the stump where Medici stood to make his speech, and today it stands shrunken and cracked. Now an enormous concrete power pole looms over the stump. It’s one of an endless series of identical towers, marching electricity to the reawakened site of the dam called Belo Monte: the Beautiful Mountain.

***

Men came to Da Silva’s door a couple of years ago, and knocked.

We are subcontractors to Norte Energia, the head man told him. We are building the dam.

They entered his home with a clipboard, writing a list of all his meager possessions. He followed them from one small room to another, as questions tumbled through his mind: What on Earth is Norte Energia? And why do these men have a clipboard?

Life in Santo Antonio had stayed quiet for three decades, but elsewhere in Brazil a revolution had been underway, an industrial, financial and cultural revolution. The country had recently surpassed Britain to become the sixth-largest economy in the world. And the Brazilian machine needs electricity.

“Electricity is development,” said Joao Pimentel, director of institutional relations for Norte Energia, a consortium of private and state-held companies that plans to begin operating Belo Monte in 2015. “Without electricity we will go nowhere.”

“If all the electricity went to homes, the dam would provide power for 60 million people,” Pimentel said.

It won’t do that, exactly. Seventy percent of the dam’s power will flow to public utilities, sold on the national grid for business and domestic consumption. The other 30% will be divided among shareholders.

So how many Brazilian citizens will receive electricity once it trickles down? “It’s difficult to say,” Pimentel said.

“That’s a lie,” said professor Rodolfo Salm, who researches ecology at the federal university in Altamira, the largest town near the dam site. “This energy is not for homes, it is for mining.”

As Brazil expands its economic reach in the world, Salm said, it exports more goods. Aluminum, for instance.

“It takes a lot of energy to produce aluminum,” he said. “In Japan, they need aluminum but have an energy shortage. So what we are really doing is exporting energy.”

The ecological repercussions are more complex, he said. Hydropower is among the cleanest ways to make electricity, but in the Amazonian rain forest the consequences unfurl in ways that can’t be fully predicted. Belo Monte is only the beginning: The government is expected to grant concessions for at least 30 dams in coming years. The resultant flooding could cover thousands of square miles of rain forest, Salm said, releasing vast quantities of methane gas from rotted trees.

“The deforestation is already happening,” the professor said. People are moving to Altamira on the promise of an economic boom from the dam, and where the human population goes, trees disappear. “This year’s rains should have begun by now,” he said, pointing to a dusty window. “But they haven’t. It’s because we get our rains from the forest.”

The list of consequences grows.

“Look at the fish species,” the professor said. “As oxygen in the water lowers, they cannot survive. They die, and it breaks the ecology.”

The men with the clipboard, when they entered Valcione da Silva’s house two years ago, weren’t impressed with the possessions he valued most: his wooden daggers and Coke bottles. They would tally his worth back at their office, they said, and make him a settlement offer. They suggested he accept it.

***

Da Silva’s brother-in-law, Alessandro da Silva, joins him, and they sling their equipment in packs over their shoulders.

They climb onto Da Silva’s off-road motorcycle. He fires it up, and the two scoot into the rumble of transfer trucks. Dust coats the men, and the tires of the other vehicles tower above them.

Gigantic machines scrape and gouge and dynamite rock and dirt and load it into the trucks, which haul it to other sites, where they unload and repeat. Da Silva and Alessandro weave through a landscape that stopped resembling the rain forest long ago; now it looks lunar.

Off a side road they pass the village’s empty church, and the demolished houses of their former neighbors. As they get closer to the Xingu River the signs start appearing: Do not enter, they say. This land is now protected by the law. Do not enter.

They pass a water depot, where a machine pumps river water into trucks that will spray it along the roads to keep down the dust. The rain has not yet come.

More signs: Do not enter.

The two men drop on their motorbike over the riverbank, out of sight. Working quickly, they slide down the bank to their dugout canoe, crank its small motor and then navigate into the Xingu.

The Xingu is special among all rivers in the Amazon system. Where the Amazon descends just 260 feet over its length of almost 4,000 miles, the Xingu drops 295 feet over a 60-mile segment here.

And it is special for another reason, Da Silva says.

“Getting close now,” he says.

He putters past another sign, this one bobbing in the water: Do not enter.

***

The Belo Monte project itself was deemed illegal, briefly, by a Brazilian federal court. In mid-August, the court intervened to halt all construction.

Two weeks later, the Supreme Court reversed the decision. Civil rights and environmental groups cried out against the decision, claiming the court had bowed to pressure from Brazilian President Dilma Rousseff, whose election last year was underwritten in part by the companies interested in building the dam.

In September, the indigenous peoples who live in the dam-affected area rose up and overtook one of the dam’s largest construction sites. About 150 protesters, wielding clubs and spears, held the site for several days until Norte Energia’s representatives heard their concerns.

Another group, of indigenous fishermen, gathered in November. They converged on Norte Energia’s waterfront office in Altamira, demanding to know what sort of settlement the company would offer them once they’re no longer able to fish on the Xingu.

One of their leaders was Cecilio Kayapo, a man with skin like tree bark. Afterward, he shrugged. “They have told us nothing new,” he said. And then a common, defeated refrain among the fishermen: “They are clever.”

For a moment Kayapo stood and looked at an enormous, meticulous model of the Xingu under glass in Norte Energia’s office. He surveyed the water he had navigated his whole life, but from this vantage, none of it made sense.

The dam is a complex, multi-stage affair, but it will work like this: The Xingu flows downhill from Altamira to Santo Antonio — Valcione da Silva’s village — where the water will crank the dam’s turbines. Between those two points, though, the river swings through what locals call the Big Bend. It’s a wide loop where botanists, zoologists and anthropologists study life of all sorts; it’s also flat, so the river loses much of its valuable energy. So a support dam will shunt most of the Xingu directly from Altamira to the dam, through a man-made canal. It will cut out the Big Bend and slowly lower the river there.

Kayapo wanted to speak with the people of the Big Bend. He began a two-day journey in his small boat. The Arara tribe greeted him warmly, and the leader, Leoncio Arara, called a meeting in his hut. After Kayapo’s defeated report, the chief nodded. “They are clever,” he said.

He was 74 years old. He counted on his fingers the important moments of his life — all on the river — and finally threw up his hands. “The river is our road, and our food,” he said. “It is our life.”

***

Valcione da Silva steers his dugout boat around a final bend.

He will take the settlement, he says. He has no choice. Norte Energia alone cannot cast him from his home, but the government can. He will have to take the money — about $20,000, he says — and move from his home. But he will hold out as long as possible.

He stops the boat at the center of the river, and Alessandro throws out the anchor. At the center of the boat, Da Silva takes the cover off a funny old engine, which looks like something salvaged from a steam ship. It’s bright yellow, all gears and wheels and chains. It sputters to life.

“Air compressor,” Da Silva says. Two plastic tubes run from the engine, and the two men each place the free ends in their mouths. They pull on goggles, strap the Coke bottles around their waists, and tuck the wooden daggers into their belts.

They leap.

The bashing of the dump trucks fades, and the heat of the sun gives way to cool water. The dirt from the dam construction swirls around him, even underwater. Every day there are fewer fish to be found.

Da Silva dives deeper, and as he descends, darkness closes around him. He flicks on a waterproof flashlight.

Along the riverbed he finds the rocks he wants, stacked and smoothed by countless years of flowing water. He pulls the daggers from his waistband and reaches with them to the underside of the rocks, pulling the wooden edge along the stone.

Slowly he finds them — the beautiful fish. Ornate, tiny fish. Rare fish. At the market in Altamira he can sell them for $2 or $3, although they will sell for a hundred times that much eventually. He doesn’t know the scientific names, or the ones they’ll have by the time they reach aquariums in Tokyo or New York. But here they’re called the zebra, the old black man, the tiger.

They resist, hiding under the river rocks. But his daggers eventually, inevitably, sweep them from their homes.

Author: Matthew Teague
Source: Los Angeles Times
Original: http://goo.gl/vUEKs


FOLLOW US / SIGA-NOS:
              



A coleta e o tratamento adequado dos resíduos ainda é um desafio tão grande para o país quanto o tamanho da pilha de detritos que produzimos

Autor: Vanessa Barbosa
Fonte: Exame
Original: http://goo.gl/vD1h8


FOLLOW US / SIGA-NOS:
              




Feira Nacional da Agricultura Familiar e Reforma Agrária: evento comprova como as pessoas que vivem no mundo rural lutam para buscar um nicho no mercado. (Eduardo Aigner/MDA)

Rio de Janeiro – Comida, artesanato e moda ecológicas e sustentáveis são as principais estrelas da oitava Feira Nacional da Agricultura Familiar e Reforma Agrária, onde os visitantes podem ver, degustar e comprar produtos que respeitam o rico ecossistema do país.

Tudo o que é oferecido nos vários estandes da feira na Marina da Gloria, no Rio de Janeiro, compartilha a origem rural e o carinho de seus produtores, que apostam na matéria-prima da proximidade.

É o caso de Eli Chaves, que fabrica queijo parmesão em Minas Gerais e que contou à Agencia Efe que compra o leite dos produtores rurais do lugar onde vive.

O mesmo acontece com a cachaça Barra Velha, produzida a partir da destilação de cana-de-açúcar plantada e recolhida à mão nos campos do Rio de Janeiro, ao contrário de outros produtores que utilizam a nociva queima de canaviais para recolher mais fácil o produto.

A feira, que começou na quarta-feira e termina no domingo, não só serve para adquirir estes produtos, mas para comprovar como as pessoas que vivem no mundo rural lutam para buscar um nicho no mercado.

É o que ocorre no espaço dedicado às mulheres rurais, onde um grupo de brasileiras de todos os cantos do país mostra produtos de artesanato e bijuteria elaborados em negócios administrados por elas mesmas.

A coordenadora da Diretoria de Políticas para Mulheres Rurais do Governo brasileiro, Renata Leite, contou à Efe que o órgão tenta fazer com que estas trabalhadoras tenham visibilidade, já que até agora costumam ser os maridos que vendem o resultado de seu trabalho.

O Governo Federal lhes ajuda a acessar terras e créditos para explorá-la, assim como obriga que a propriedade pertença a elas e não só aos maridos ou aos filhos.

A feira é também um foco de reflexão sobre variados temas do campo, como a reforma agrária, a superação da pobreza no meio rural e a autonomia e emancipação dos jovens camponeses.

Autor: EFE
Fonte: EXAME
Original: http://goo.gl/1dVYv


FOLLOW US / SIGA-NOS:
              



Lista de animais brasileiros sob perigo máximo de extinção traz um macaco, duas borboletas, um passarinho e um roedor. Alguns desses têm menos de 100 indivíduos restantes


Um dos candidatos oficiais a mascote das Olimpíadas de 2016, o muriqui-do-norte, o maior macaco das Américas, possui hoje menos de 1000 indivíduos. (Wikimedia Commons)

São Paulo – O Brasil tem cinco animais entre as 100 espécies mais ameaçadas de extinção do mundo, de acordo com uma lista publicada pela Sociedade Zoológica de Londres. No relatório, intitulado Priceless or Worthless? (“Sem valor ou de valor inestimável?”, em tradução livre), aparecem o macaco muriqui-do-norte (Brachyteles Hypoxanthus), o pássaro soldadinho-do-Araripe (Antilophia bokermanni), duas borboletas (Actinote zikani e Parides burchellanu) e uma espécie de preá (Cavia intermedi).

É a primeira vez que mais de 8 mil cientistas reúnem-se para identificar os animais, plantas e fungos sob risco extremo de extinção em 48 países. “O declínio da maioria dessas espécies foi causado por seres humanos e, em quase todos os casos, a extinção pode ser evitada. Está em nossas mãos decidir se eles devem desaparecer ou permanecer na Terra”, diz Jonathan Baillie, diretor do programa de conservação da Sociedade Zoológica de Londres. “Mas é preciso decidir rápido”, alerta.

Macaco muriqui-do-norte – Um dos candidatos oficiais a mascote das Olimpíadas de 2016, o muriqui-do-norte, o maior macaco das Américas, possui hoje menos de 1000 indivíduos, segundo estimativas dos cientistas. Nativo de uma área da mata Atlântica que vai do Espírito Santo à Bahia, a espécie encontra-se seriamente ameaçada de extinção devido à intensa fragmentação de seu habitat. “O desmatamento em grande escala e o processo seletivo de madeira no passado reduziram o ecossistema único do muriqui do norte a uma fração de sua extensão original, e a pressão de caças também afetaram a população desse primata”, diz um trecho do relatório.

Soldadinho-do-araripe – Entre as espécies brasileiras mais ameaçadas, aparece também soldadinho-do-araripe, uma ave que vive numa área de apenas 28km² na Chapada do Araripe, no Ceará. Com cerca de 15 cm de comprimento, o macho dessa espécie é dono de uma pelagem sedutora: é branco, com a cauda e asas negras, além de um topete carmim que vai do meio do dorso até o bico, uma característica praticamente ausente na fêmea, que tem pelagem cor verde-oliva. Sua população é estimada em 779 indivíduos. Segundo o relatório, a espécie sofre com a perda de hábitat devido à expansão da agricultura, parques e unidades de recreação.

Preá – Descritos pela ciência há poucos mais de 10 anos, os preás Cavia intermedia somam no máximo 60 indivíduos. O mamífero de 25 centímetros e 600 gramas é encontrado apenas na ilha Moleques do Sul, perto de Florianópolis. Embora o hábitat desta espécie esteja protegido por lei, o relatório sugere maior fiscalização da região.

Borboletas – A lista das espécies sob perigo extremo cita ainda duas borboletas, a Actinote zikani, que vive na Serra do Mar, perto de São Paulo, e a Parides burchellanus, com uma população de menos de 100 indivíduos no Cerrado brasileiro.

Autor: Vanessa Barbosa
Fonte: Exame
Original: http://goo.gl/sUugQ


FOLLOW US / SIGA-NOS:
              



O primeiro período de compromisso do Protocolo de Kyoto termina no final deste ano


Símbolo químico do dióxido de carbono: Protocolo de Kyoto estabelece metas obrigatórias para 37 países industrializados e a Comunidade Europeia. (AFP/Arquivo / Theo Heimann)

Brasília – Reuters – Brasil, África do Sul, Índia e China defenderam nesta sexta-feira a adoção em novembro, em Doha, de um segundo período de compromissos do Protocolo de Kyoto, tratado mundial que obriga países desenvolvidos a cortar emissões de gases de efeito estufa.

Em comunicado conjunto divulgado após reunião para discutir o estágio das negociações climáticas, em Brasília, os países, que formam o grupo Basic, reforçaram que a definição de uma segunda etapa de Kyoto é um “ponto-chave” para a reunião ministerial na capital do Catar, a COP 18, além de defenderem um novo pacto global sobre clima a ser implantando a partir de 2020.

“Aquilo que será Catar, certamente tem uma questão estratégica, que é o segundo período do Protocolo de Kyoto”, disse a jornalistas a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, após a reunião. Para ela, essa definição seria “o maior legado de Doha”.

O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, também assinalou “a centralidade da decisão de se iniciar um segundo período do Protocolo de Kyoto em 1o de janeiro de 2013” como o ponto principal da reunião desta sexta-feira e do comunicado.

O primeiro período de compromisso do Protocolo de Kyoto, que estabelece metas obrigatórias para 37 países industrializados e a Comunidade Europeia para reduzir as emissões em 5 por cento ante os níveis de 1990 no período de 2008-2012, termina no final deste ano.

Também participaram do encontro nesta sexta-feira, em Brasília, a ministra de Água e Assuntos Ambientais da República da África do Sul, Edna Molewa, o vice-ministro da Comissão Nacional de Desenvolvimento e Reforma da República Popular da China, Xie Zenhua, e o embaixador da República da Índia no Brasil, Bellur Shamarao Prakash.

Argentina, Argélia (presidente do Grupo dos 77 e China), Barbados e Catar também foram representados como partes convidadas.

Autor: REUTERS
Fonte: Exame
Original: http://goo.gl/kUjDS


FOLLOW US / SIGA-NOS:
              



Cada vez mais, o Brasil está investindo em energias renováveis, e nos próximos anos o país deve se firmar como líder no mercado latino-americano de energias limpas. É que indica um novo relatório publicado na última semana (11), que também fala sobre outros grandes mercados renováveis da América Latina, como Argentina, Chile, México e Colômbia.

Segundo o documento, em 2011 o país tinha 120.553 megawatts (MW) de energia instalados, com uma grande participação (80%) das energias verdes (considerando as grandes hidrelétricas). Cerca de 70% da energia é hidrelétrica, mas outras fontes alternativas, como a eólica, a solar fotovoltaica (PV), as pequenas centrais hidrelétricas e a biomassa estão crescendo, alimentando atualmente 10% do mix energético.

Fora o setor de grandes hidrelétricas, a capacidade instalada de energias limpas no Brasil deve crescer de 13.260 MW em 2012 para 38.015 MW até o final da década, subindo a uma Taxa de Crescimento Anual Composta (CAGR) de 14%.

Por isso, algumas dessas fontes, como a eólica e a solar, devem ganhar cada vez mais destaque na produção energética nacional. A energia eólica, por exemplo, ainda que contribua com apenas 2.769 MW para o total de capacidade instalada, deve ser estimulada com planos do governo de explorar o mercado offshore, atraindo investidores e podendo chegar a 19.420 MW até 2020.

Mas é a energia solar PV que deve ter o maior crescimento em solo brasileiro, apesar de ainda ser uma das fontes renováveis menos desenvolvidas no país. O setor, que tem uma CARG de 59%, deve saltar dos 31 MW de capacidade instalada em 2012 para 1.276 MW até o final da década.

“A energia solar fotovoltaica não é mais uma promessa, mas uma realidade. Ela já é utilizada no Brasil no Programa Luz para Todos em áreas rurais isoladas, em uma usina solar no Ceará e faz parte do projeto de estádios da Copa do Mundo como o Mineirão e o Maracanã”, comentou Edwin Koot, CEO da companhia holandesa SolarPlaza, no evento O Futuro Solar, realizado nesta quinta-feira (20) em São Paulo.

“Projetos e iniciativas não param de surgir. A chamada da ANEEL para projetos de pesquisa e desenvolvimento no setor atraiu 97 empresas, sendo 18 propostas aprovadas, totalizando 24,5MW e com um investimento total de quase R$ 400 milhões. Deve ocorrer também o primeiro leilão no mercado aberto dedicado exclusivamente à compra de energia solar fotovoltaico. Um verdadeiro marco”, acrescentou Koot.

Um dos fatores que devem estimular esse crescimento são as novas regras da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) para micro e mini geração distribuída. A partir daí, os consumidores de eletricidade (tanto pessoas quanto empresas) poderão gerar sua própria energia, utilizando geradores que trabalham junto com a rede de distribuição, um sistema que permitirá a troca de energia.

“A energia fotovoltaica é a que melhor se encaixa neste sistema, uma vez que aproveita telhados e coberturas de edificações em geral, e o Brasil tem uma grande incidência de irradiação solar”, observou o CEO da SolarPlaza. Assim, a placa solar capta a energia durante o dia, direcionando excedente para a rede. Durante a noite, o consumidor utiliza a energia da rede. O que sobrar vira crédito, descontado da conta de luz do consumidor.

Além disso, o valor das instalações de sistemas fotovoltaicos tem caído anualmente, contribuindo para a queda nos preços da energia solar. No Brasil, estima-se que o custo dessa energia esteja entre R$ 300/MWh e R$ 400/MWh, que já é inferior ao que consumidores residenciais pagam, por exemplo, em estados como Ceará, Tocantins, Bahia, Minas Gerais e Maranhão.

“Os preços estão entrando em colapso, a queda no preço da energia solar foi de 50% no último ano”, lembrou Koot. Por isso, estima-se que até 2030 haja uma onda de investimentos em geração distribuída no país de R$ 15 bilhões a R$ 49 bilhões, de acordo com as medidas que o governo adotar ou não.

No entanto, alguns obstáculos podem surgir nesse caminho de crescimento. A diminuição das tarifas de energia devido à renovação de concessões e corte dos encargos fiscais, pode mudar a competitividade da fonte solar em curto prazo, retardando também um leilão de energia solar.

“É claro que, com a redução das tarifas, a energia solar perde um pouco a competitividade, mas as condições de inserção permanecem válidas, porque há uma tendência estrutural de queda do custo dos painéis fotovoltaicos”, declarou Amilcar Guerreiro, diretor da Empresa de Pesquisa Energética (EPE).

“Mas também é verdade que o desenvolvimento do mercado e de novas tecnologias também reduz os custos, há uma redução estrutural, mas talvez não no nível que vemos hoje”, concluiu Guerreiro.

Autor: Jéssica Lipinski
Fonte: Instituto CarbonoBrasil
Original: http://goo.gl/PnXhP


FOLLOW US / SIGA-NOS:
              



Resíduos tóxicos resultantes da operação de extração de petróleo de plataformas marítimas seriam despejados sem nenhum tipo de tratamento, diz Polícia Federal


Plataforma P-18, da Petrobras: as investigações mostraram que a Petrobras é “leviana” no tratamento de resíduos da extração petroleira. (Fotografia: Andre Valentim / EXAME)

Rio de Janeiro – A Polícia Federal (PF) acusa a Petrobras de despejar no oceano toneladas de resíduos tóxicos resultantes da operação de extração de petróleo de plataformas marítimas sem nenhum tipo de tratamento. Inquérito da Divisão de Crimes Ambientais da PF no Rio concluiu que a empresa não respeita a legislação sobre o tratamento e o descarte da água tóxica – chamada de “água de produção” ou “água negra” -, que se mistura ao óleo prospectado nas unidades marítimas de produção.

Para o delegado Fábio Scliar, responsável pelo inquérito, as investigações mostraram que a Petrobras é “leviana” no tratamento de resíduos da extração petroleira. A fiscalização a cargo do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) é ineficaz, segundo a PF. Na avaliação do delegado, os danos ambientais provocados pelo descarte irregular da água de produção nas plataformas de petróleo “é 300 vezes maior” do que os impactos resultantes do vazamento de óleo do Campo de Frade, da empresa americana Chevron, na Bacia de Campos, no ano passado.

“O impacto é 300 vezes maior do que o vazamento da Chevron no ano passado. O negócio vem desde que há exploração de petróleo no Brasil”, afirmou Scliar. “Essa água negra é descartada há décadas no oceano sem o tratamento adequado. E não há fiscalização qualquer. Isso é um segredo nacional de décadas”, disse o chefe da Divisão de Crimes Ambientais.

Mistura

A água negra é uma mistura de água do mar com óleo, graxa e inúmeras substâncias tóxicas, como os metais pesados bário, berílio, cádmio, cobre, ferro, e até radioativas, como estrôncio-90 e bismuto-214, entre outros. O caso foi revelado em reportagem publicada nesta quinta-feira (6) no site da Revista Época. De acordo com as investigações da PF, a Petrobras informou que 99% da água de produção extraída junto com o petróleo são tratadas nas próprias plataformas marítimas. O inquérito ressalta, no entanto, que nem todas essas unidades contam com estações de tratamento. Segundo a PF, apenas 29 das 110 plataformas têm capacidade de limpar o líquido tóxico antes de seu retorno ao mar.

O 1% restante da água negra segue para refinarias da Petrobras, onde também deveria receber tratamento. Segundo a PF, isso não acontece. A unidades de tratamento estão desativadas. O líquido tóxico é embarcado em navios da empresa, “onde, sem tratamento algum, serão despejadas em alto mar”, afirma o inquérito enviado pelo delegado Scliar à Procuradoria da República em São João de Meriti há dois meses.

Investigação

As investigações começaram há 10 meses. A PF realizou operações para apurar suspeita de descarte de poluentes da Refinaria de Duque de Caxias (Reduc), a quarta maior da Petrobras, diretamente nas águas do Rio Iguaçu e na vegetação da região. Em todas foram confirmadas irregularidades. A Petrobras foi multada, segundo a PF, e se comprometeu a erguer até 2017 uma nova unidade de tratamento de resíduos.

No andamento da investigação, no entanto, servidores públicos responsáveis pela fiscalização ineficiente da empresa comentaram com os agentes federais que pior do que os descartes de poluentes pela Reduc era o derrame da água de produção nas plataformas e refinarias. “Uma inconfidência de um servidor público da área de meio ambiente sobre o problema da água de formação nos chamou a atenção. Como aquilo não era o meu alvo no momento, eu captei e fiquei quieto. Depois que eu resolvi a questão da Reduc, resolvi investigar essa história”, disse o delegado Scliar. “Acabei desvendando essa história, que, para mim, é um absurdo. É uma política absurda. Uma enganação ao povo brasileiro”, afirmou o delegado federal.

O inquérito já está no Ministério Público Federal, que deve denunciar por crime de poluição pelo menos dois gerentes da empresa pelas irregularidades constatadas na Reduc. Outro inquérito civil está em andamento para responsabilizar, e multar, a Petrobrás. O procurador Renato Machado informou que vai enviar cópias de toda a documentação do caso para a Procuradoria-Geral da República (PGR) em Brasília, onde será definida a abertura de novos inquéritos para apurar o despejo de água de produção nas plataformas marítimas espalhadas pelo País.

Outro lado

Em nota enviada pela assessoria de imprensa, a Petrobras informou que atende a todos os requisitos da legislação ambiental brasileira e internacional. “A água produzida junto com o petróleo nas plataformas é tratada e descartada de acordo com a legislação brasileira, que é tão rigorosa quanto nos EUA e na Europa. Nas plataformas onde não há sistema de tratamento, a água é enviada para outras plataformas ou outras instalações para destinação adequada”, informa o texto.

Os descartes de água, segundo a nota, atendem a resoluções do Conama e a Convenção da Organização Marítima Internacional (IMO). “Também na Refinaria Duque de Caxias, todos os efluentes são tratados. O descarte respeita a legislação brasileira. A reportagem (da Época) reproduz as citações dos profissionais da Petrobras de forma parcial e descontextualizada”, diz o texto da empresa.

Também por nota, a assessoria do Ibama informou que “exige de todas as empresas petrolíferas o estrito cumprimento da legislação ambiental, incluindo os padrões de descarte de água de produção estabelecidos pela Resolução Conama nº 393/07”. O instituto diz que realizou 90 autuações referentes ao descarte de água de produção fora das especificações do Conama, aplicando essas sanções a diversas empresas petrolíferas, e que conta com 80 analistas ambientais especializados para função.

Autor: Alfredo Junqueira
Fonte: Exame
Original: http://goo.gl/N365D


FOLLOW US / SIGA-NOS:
              

%d bloggers like this: